Ban

domingo, 2 de julho de 2006

As Convenções - 01/07/06

Convenções I

As peças estão postas no tabuleiro político paraense.

Uma disputa que não terá meio termo: ou será extremamente fácil, ou extremamente complexa.

Pode significar um passeio, para o ex-governador Almir Gabriel.

Ou uma surpreendente derrota, para o PSDB, após 12 anos de poder.

Difícil imaginar é que alguém fique ao largo de uma disputa dessas. Inusitada, talvez, no Pará.

Não nasce polarizada, mas, extremamente fragmentada. E com apenas um alvo fácil – os demais, têm a leveza e a agilidade da guerra de guerrilhas.

Com isso os cenários, sempre parcos nas eleições paraenses, se multiplicaram, dificultando os prognósticos.


Convenções II


Do lado da situação, um ex-governador que vai muitíssimo bem nas pesquisas e que demonstra determinação para a disputa, apesar da idade avançada.

Do outro, três jovens candidatos, nenhum exatamente desconhecido do eleitorado, mas, também, sem o cacife de Almir – que, além do mais, tem uma estrutura pública inteira a seu favor.

Será o velho contra o novo, como repisou Jader, na convenção peemedebista. A estratégia oposicionista, aliás, tem a digital inconfundível dessa raposa cada vez mais felpuda...


Convenções III


O novo contra o velho. Um mote poderoso, a mexer com arquétipos, o imaginário, o mais profundo e primitivo da mente humana – e por imperceptível, de difícil defesa para o consciente, especialmente das multidões.

Porque o novo é associado, imediata e subliminarmente, à esperança. Às mudanças que porão fim a todos os sofrimentos que nos afligem. É a promessa da “Terra Sem Males”. O retorno ao Paraíso Perdido; a um fabuloso tempo dos começos...


Convenções IV

O poder desse mote, porém, não passou despercebido aos profissionais tucanos. Já na convenção da União pelo Pará, Almir pôs-se, também, a levantar essa bandeira. Falou de um novo governo, diferente de tudo o que foi feito pelos anteriores. E centrou fogo na área social – o calcanhar de Aquiles do tucanato, em todo o país. Aliás, pela própria essência etapista do ideário social-democrata.

Mas, é difícil a alguém da idade de Almir – e com duas passagens recentes pelo governo – sustentar a bandeira do novo. Principalmente, quando os candidatos adversários têm, todos, idade para serem seus filhos.

Melhor seria que apostasse na experiência – e no respeito que inspira a paternidade. Esse, talvez, venha a ser o caminho adotado, mais adiante, pelo marketing.

O problema é que a oposição, sempre atenta, não pariu neófitos no jogo político.


Convenções V

Jader parece acreditar, plenamente, que fez a escolha certa, ao recuar de sua candidatura ao Governo, contra todas as pressões nesse sentido.

As más línguas dirão que não quis arriscar nada, temendo ficar sem mandato.

Mas, pelo seu semblante e o conjunto de atitudes dos últimos dias, é possível que tenha deixado o palco (jamais os bastidores) simplesmente para infernizar os tucanos – e preparar 2010.

Sem Jader em campo aberto, os tucanos se viram, de repente, sem discurso.

Tanto assim que, na convenção da União pelo Pará, Jader – que não é candidato às majoritárias – continuou a pautar o palavrório de seus figadais adversários.

Todos se referiram a ele – ainda que indiretamente – repisando o resgate da ética, no Pará.

Mas que sustentação terá tal discurso, frente a três jovens guerrilheiros, sem um décimo da vidraça tucana? Além disso, como são três os oposicionistas, a quem satanizar?

E mesmo em satanizando o mais bem colocado, com mais chances para um eventual segundo turno, como evitar que a polarização não abra caminho para a subida de um outro?

Por isso mesmo, no tatibitabi do bem contra o mal, o incômodo papel de encarnação da Malignidade pode acabar carimbado no PSDB.

Até porque, do outro lado, há novidades para todos os gostos: o novo que pode ser associado ao velho; o semiusado e aquele que – ainda - não teve a chance, de fato, de mostrar a que veio...

Ou, em uma leiturinha safada: o neopopulismo em dois níveis – da radicalidade revolucionária e do assistencialismo.

E o novo light e diet, que não engorda, não dá rugas, nem faz subir o colesterol...

Convenções VI


Essa é a leitura, talvez, feita por Jader, reconhecidamente, um estrategista brilhante – e por isso mesmo, sempre surpreendente.

Um jogo de renovação que obrigará a situação a queimar pestanas, não, apenas, no hoje.

Mas que – principalmente - abrirá caminho para a sua linhagem, no amanhã...

Esse, porém, não é o único cenário possível – o pior dos mundos, para o tucanato.

Suponhamos que o conservadorismo do eleitorado se sobreponha à força da renovação, no imaginário popular, pelo fato de nenhum desses jovens transmitir um mínimo de segurança.

Suponhamos, ainda, que o profissionalíssimo marketing tucano consiga trabalhar, adequadamente, o mote da experiência - até com o recurso a esse nauseante expediente do “Pai dos Pobres”, o “Grande Timoneiro” que pensa, luta e trabalha por nós...

Nesse caso, ao invés de uma batalha dificílima, marcada por constantes reviravoltas, ter-se-á o tão sonhado passeio do tucanato, que emplacará 16 anos de poder.

Convenções VII


É claro que pesará, na conjuntura, o cansaço do discurso tucano, até pela dificuldade em levar a população a compreender que mudanças estruturais não nascem do dia para a noite.

Nem poderia ser diferente, dado o apelo fisiológico da fome e a impossibilidade “técnica” de se esperar 12 ou 16 anos por um pedaço de pão.

Por isso mesmo, os nós críticos que o PSDB nunca conseguiu desatar – especialmente, em áreas extremamente sensíveis, como a saúde e segurança – estarão mais visíveis que nunca.

Dado o torpedeamento intensivo por esses jovens, com as suas promessas de celeridade, bem mais compreensíveis ao senso comum.

E sem que os tucanos possam revidar, de maneira verossímil, que não houve tempo para resolvê-los.

Melhor será sustentar, à exaustão, que fizeram – mesmo que a realidade diga o contrário...

6 comentários:

Juvencio de Arruda disse...

Ei!...parabéns pelo novo visual do blog.A cor escolhida combina com a cheirosa Perereca que conheci no Pomme..eheh.
E os links, que sempre valorizam os blogs,abertos de uma vez só, retiram um pouco do aspecto "maldito" dos blogs "solitários"..eheh.
Obrigado por estar entre eles, e vou linkar voce muitíssimo breve,aproveitando para retribuir mais alguns a quem devo essa atenção.
Um beijo e...manda pau!

Ana Célia Pinheiro disse...

Querido:

Você, como sempre, um cavalheiro, uma figura agradabilíssima.
Fico muito feliz que alguém como você tenha aprovado o novo visual da Perereca.
Bridadão pelo cheirosa.
Aconselho, vivamente, que visites os links que coloquei na página, especialmente o Ebooks Brasil, que não sei se conheces, e o Virtual Books, com a coleção Ridendo Castigat Mores. Há preciosidades ali, como A Propaganda Política, do Domenach, e até, se não estou enganada, a Mistificação das Massas pela Propaganda Política.
Espero continuar a contar, sempre, com a sua atenção.
Beijinhos,
Ana Célia

Miguel Oliveira disse...

Ana Célia.
Blog repaginado, boas notas, muita picardia e um pouco de desvario nessa nossa política( com 'p' minúsculo) desvairada.
Grato por 'linkar' O Estado do Tapajos. Dá uma oportunidade ao leitor da capital acompanhar o que acontece de importante no Oeste do Pará.
Do amigo de sempre,
Miguel Oliveira

Ana Célia Pinheiro disse...

Obrigada a ti, Miguelito, pela visita. Gosto muito do Estado do Tapajós - sempre que posso dou um pulo na tua página e aproveito para acompanhar o "ratinho branco de biblioteca" - o Lúcio. Só lamento que tenhas retornado tão cedo a Santarém. Nem deu pra gente tomar uma, não é mesmo? Quando voltares, avisa, caramba!
Beijinhos,
Ana Célia

PS: Vê se emagreces (ah,ah,ah)

Anônimo disse...

Muita boa a analise feita por voce, cara jornalista, sobre as candidaturas colocadas à disposição dos leitores da Pererecaa. Seu trabalho é um dos grandes beneficios que a internet proporciona-nos.
Obrigado.

Ana Célia Pinheiro disse...

Obrigadão, anônimo. É um prazer recebê-lo aqui. Só lamento não poder oferecer uma cervejinha, já que estamos em espaço virtual. Mas, prometo, vou tomar uma por você. Beijinhos, Ana Célia