Ban

quarta-feira, 8 de março de 2006

Prozac e eletrochoque

Peço desculpas pela demora na atualização do blogg. Não é falta de tempo – é puro tédio. Essa flutuação de humor que faz a autora parecer, por vezes, barco perdido em vendaval.

Assim, agradeço a cobrança. Mas, também, rogo a infinita compreensão de todos. Juro que não esqueço mais da sessão de eletrochoque. Nem de me exercitar, uma hora por dia, na camisa de força. Tudo como preâmbulo a toneladas de Prozac.

Talvez possa fazer, ainda, uma sessão de autopiedade, a transformar essa página num vale de lágrimas. Uma punheta intelectual, para demonstrar a profundidade do meu pensamento.

Coisa assim high, up, pós, trans, a essência da essência do absurdo. Ininteligível aos não-iniciados. E sublime justamente pela ininteligibilidade.

Acho que tenho é de aumentar a voltagem. E mandar apertar a camisa...

3 comentários:

edson coelho disse...

prozac e eletrochoque na perereca da vizinha: não tem como falhar.

Orlando disse...

Tudo bem, entendemos que mulheres têm fases.

morgana disse...

aeoiaoeiaeoaieao

a perereca anda ocupada :)
será que ela está saltitando em cima dos galhos? :O
espero que não sra mamãe ¬¬

depois...
eu sou a preguiçosa :~
não abandone a perereca moça!
ela ainda é melhor que o pinto :)

ôÔôÔô vizinha chata!
fica reclamando de tudo...
tsc tsc :O
que coisa feia ein dona perereca ¬¬

não falo mais nada..
porque eu não li o que a sra escreveu :D

uma boa noite e bons saltos :}