Ban

domingo, 26 de fevereiro de 2006

Sotaque Português

Vou-me a outras bandas,
outras terras, além Tejo.
Onde os dias não exalam teu perfume,
onde as cores não espelham teus cabelos.

Vou-me, qual um fado!
Rua em rua a luminar Alfama
a um canto de teu quarto.

Vou-me,
mágica qual a noite
a fecundar sonoros desejos.

E se de morte, enfim, forem essas terras.
E de negro se cobrir o azul do Tejo,
que em meu peito, ai!, se encontre a sepultura,
desse corpo que no meu é uma prece!

Belém, 1988

Nenhum comentário: